por Fernanda Zerbinatti

Fazer uma pausa para refletir sobre minha caminhada como professora de Educação Básica é exercer gratidão a muitas pessoas por uma jornada de permanente descoberta, superação e aprendizado.

Alunos(as), professores(as), colegas de trabalho e familiares de alunos(a), todos(as) sem exceção, contribuíram e contribuem para meu aperfeiçoamento contínuo como ser humano e profissional. Como já dizia o sábio Paulo Freie (1996; p.25):

Estar na condição de professora implica ter consciência do meu lugar de aprendiz. Não sabemos tudo, mas temos a oportunidade de auxiliar o processo de descoberta e aprendizado de cada pessoa com quem convivemos e para isso, precisamos nos manter em constante estudo para oferecer as melhores condições de ensino de acordo com a necessidade de cada estudante. Estudo esse que prevê além da formação inicial, a continuada junto aos nossos pares, além da iniciativa pela busca individual para aperfeiçoar a prática pedagógica em prol de uma aprendizagem de qualidade para todos(as) os(as) alunos(as) todos os dias. É preciso disponibilidade para atualizar-se de acordo com a velocidade que a atualidade pede. Urge a necessidade de responder a uma geração que avança a passos largos no mundo da tecnologia digital. Neste aspecto, temos muito a aprender não é mesmo?

De acordo com SENGE (2005; p.25) contribuir para a aprendizagem das pessoas implica a construção do conhecimento por meio da atribuição de sentido e significado a partir de vivências que dialoguem diretamente com a realidade de cada um(a) e, assim, promovam experiências, emoções, desejos, autoconsciência e propósitos (individuais e coletivos). Um verdadeiro exercício de empatia, resiliência e compromisso com cada um(a) que nos cerca na atmosfera educativa. na medida em que nos disponibilizamos a contribuir com algo tão genuíno: o desenvolvimento integral de uma pessoa (muitas vezes pequena e com uma vida inteira pela frente). É mais, muito mais do que apresentar a sequência lógica das palavras e dos números, é estar junto, acreditar junto, superar junto e acima de tudo, festejar as pequenas conquistas, pois, em conjunto, nos movem a grandes resultados. Implica olhar para além do óbvio, pois o desabrochar de cada um é algo tênue e perceptível somente aos olhos de quem está disposto a ver e valorizar cada ser humano em sua totalidade, com suas fragilidades e potencialidades.

Cada vez que penso na responsabilidade que tenho frente a tantas vidas, sei que preciso fomentar a esperança e, acima de tudo, a crença de que todos podem aprender sempre, de acordo com seu interesse e dedicação, e cabe a nós, professores(as), a tarefa de instigar o desejo do aprendizado pelos(as) estudantes. É necessário desenvolver o sentido de parceria numa relação horizontal de responsabilidade e afeição.

Aprender! Este é o ponto central da Educação: a promoção da aprendizagem de todos os envolvidos(as). Uma aprendizagem que precisa refletir na vida em sociedade para continuarmos fazendo e vivendo um mundo cada vez melhor para todos(as). Esta perspectiva incendeia minha vida e responde à reflexão posta pelo consagrado autor Affonso Romano de Sant’Anna (1995) em seu texto “O incêndio de cada um”, especialmente no trecho:

Em contrapartida, é preciso ter consciência de que nosso tempo presente na vida de cada estudante é limitado, pois deve durar o necessário para que possa criar suas próprias asas e sair do casulo, até o próximo estágio de larva, para alçar novos voos. Afinal, sempre haverá um novo amanhã e um novo horizonte a ser conquistado. Esta realidade pode ser compreendida com um trecho do livro “Os quatro amores” (LEWIS; 2017) ao mesmo tempo em que nos instiga a esperança de saber que carregaremos um pouquinho de cada um e eles(as), os(as) estudantes, também nos levarão no baú de memórias. Que possamos criar memórias felizes e repletas de sentido sempre:

________________________________________________

 

Referência bibliográfica:

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

LEWIS, C.S. Os quatro amores. Rio de Janeiro. Thomas Nelson Brasil. 2017.