A edição do Seminário Nacional de Boas Práticas em Gestão Escolar de 2018 traz o trabalho de 21 escolas que concluíram a formação do curso Gestão para a Aprendizagem, do programa Formar. As escolas elaboraram um Plano de Ação e o implementaram, tendo como foco diferentes temáticas que fazem parte dos desafios cotidianos das escolas públicas brasileiras.

Assista aos vídeos e vote no seu trabalho preferido!

Escola Estadual Maria Amália

Maceió – AL

EE Profª Ana Coelho Palmeira

Maceió – AL

EE Educador Paulo Jorge dos Santos

Maceió – AL

Melhorar a indisciplina dos alunos do 1º ao 9º ano

Resumo do Plano de Ação

As ações mais impactantes no nosso plano de ação foram e são:
1. Realizar os diálogos com cada aluno e firmar acordo de conduta. Essa ação oportunizou um relacionamento de confiança, possibilitou conhecer o aluno mais de perto e, assim, melhor compreendê-lo. Agora, os momentos de diálogo são recíprocos e os alunos não veem como “bronca”.
2. Reunir os representantes de turma mensalmente para verificar os avanços e dificuldades em relação à indisciplina. Com isso se fortaleceu-se o protagonismo estudantil e favoreceu-se a união entre esses alunos contribuindo, também, para o estreitamento na relação entre gestores e alunos. Juntos, estamos mudando a realidade!
3. Realizar conselhos de classe durante o ano com a participação da Equipe gestora, professores e representantes dos alunos. Nestes momentos, os próprios alunos apontam aspectos que contribuem ou prejudicam na aprendizagem deles, como também propõem possíveis soluções. É uma visão mais ampla e sistêmica da realidade escolar.
4. Realizar plantões pedagógicos para divulgar aos pais os resultados de cada bimestre, como também ter momentos de interação com esses pais, e assim conquistar o seu respeito, confiança e participação de toda a comunidade. Não adianta, em nada, trazer os pais à escola e, por outro lado, manter um relacionamento de gabinete, ou seja, distante.
5. Compartilhar boas práticas pedagógicas no _WhatsApp_. Eleva a autoestima do professor, como também inspira outros a usarem tais técnicas inovadoras e metodologias de sucesso.
6. Promover formação para todos os professores. Cada professor é motivado a aprimorar sua prática seja por meio das formações da SEEE como as planejadas pela Escola.
Ninguém sabe tudo!
Operações matemáticas

Resumo do Plano de Ação

No Plano de Ação foram executadas diversas atividades, planejadas e desenvolvidas para melhorar a aprendizagem dos alunos dos 6º anos na compreensão e realização de questões que envolvam as 4 propriedades operatórias fundamentais. Observando às aulas, notamos a importância da interação entre os professores de Língua Portuguesa e Matemática, auxiliando a sanar as dificuldades dos alunos na interpretação dos dados. Nas reuniões pedagógicas, discutimos quais estratégias poderiam ser utilizadas para despertar o interesse dos alunos pelas aulas, fazendo com que aprendessem e obtivessem um resultado satisfatório. Refletimos também sobre a forma de expor os conteúdos, pois quando incentivamos nossos alunos e executamos nosso trabalho com alegria, tudo fica mais fácil.  Para realizar as atividades fora da escola, contamos com a parceria do mercadinho e da padaria do bairro, que permitiram a realização das atividades práticas em suas dependências, reforçando a necessidade dos conhecimentos matemáticos em nosso cotidiano. A elaboração de uma aula interativa com os alunos do 7º e 5º ano foi muito enriquecedora, pois trabalhou o conteúdo de forma lúdica e ainda teve grande importância emocional, alunos fora de faixa e repetentes assumiram o papel de monitores, esclarecendo dúvidas e repassando o conteúdo. E, para fortalecer o elo entre família/aluno/escola, fizemos de início, o Dia da mobilização, apresentando o Plano de ação aos pais e a comunidade. Para finalizar, uma reunião de Culminância para expor as ações desenvolvidas e os resultados obtidos com a execução do plano: uma equipe mais participativa, que elabora estratégias de ensino mais eficientes para suprir as lacunas do aprendizado dos alunos; estudantes mais participativos, que encaram a aula de matemática com um olhar positivo e, consequentemente, um melhor desempenho nas provas.

Processos didáticos com enfoque em alunos com privação de liberdade

Resumo do Plano de Ação

Plano de Ação tendo como foco a formação dos professores, possibilitando o conhecimento e a vivência de práticas exitosas para esse público alvo, o entendimento do perfil da diversidade dos estudantes, desde a questão psicológica, social e jurídica, para partir para uma prática mais eficiente mobilizando o protagonismo estudantil. A parceria fortaleceu muito o plano, pois o conhecimento do perfil dos estudantes foi favorecido através da equipe técnica da SUMESE, o que contribuiu a adequação de práticas significativas. Considerando as dimensões do Plano de Ação foram realizadas as seguintes atividades, correspondentes às dimensões da gestão escolar: 

COMUNICAÇÃO: Mobilização para reunir a equipe estratégica da escola e informações sobre a construção do Plano de Ação; Reunião para a construção do planejamento da formação; Contatos com formadores na área jurídicas, sociais e psicológicas da SEPREV; Articulação para definir espaços físicos e equipamentos para formação; Programação da Formação dos Professores; Construção do Folder; Divulgação da formação através de mídias; Entrega de convites da formação a todos os professores da Escola; DIA DA MOBILIZAÇÃO. 

PARCERIAS: SEPREV (Superintendência de Prevenção a violência), objetivando que profissionais especialistas facilitem melhor a compreensão desse público alvo; UFAL (Universidade Federal de Alagoas) realizar a ação de formação de professores UFAL; Reunião de professores com Pauta Formativa.

FORMAÇÃO DE PROFESSSORES: Mesa Temática de Debate sobre atendimento sócioeducativo; Seminário Temático; Reuniões com Pauta Formativa; Socialização de boas práticas e experiências exitosas; Estudo Dirigido. PROTAGONISMO ESTUDANTIL Exposição de produções escolares; Aplicação de pesquisa de satisfação do aluno; Simpósio para culminância de projetos didáticos /pedagógicos. A avaliação da implementação desse Plano de Ação aponta que as ações foram favoráveis podendo serem ampliadas e aprimoradas.

Escola Municipal Epitácio Pessoa

Campina Grande – PB

Escola Municipal Dr. Chateaubriand

Campina Grande – PB

Escola Municipal Dr. José Tavares

Campina Grande – PB

Produção Textual

Resumo do Plano de Ação

Os resultados obtidos através das avaliações de aprendizagem sinalizaram que, encontram um número considerável de alunos, do 3º ano/2017, encontrava dificuldades em relação à leitura,  interpretação e, principalmente, produção textual. Assim sendo, elaboramos um Plano de Ação para ser desenvolvido nessas turmas, no período de novembro de 2017 a junho de 2018, tendo como foco a leitura e produção textual. Inicialmente, realizamos algumas sessões e oficinas sobre estratégias de leitura, produção e reescrita de textos, mediadas pela Supervisora Escolar (dupla gestora) e por uma professora do departamento de letras da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Essa etapa foi importantíssima, pois o trabalho desenvolvidos nas oficinas propiciaram as professoras a construção e a reconstrução de novas práticas pedagógicas. Simultaneamente, realizamos as orientações do planejamento das aulas e monitoramento de todas as ações desenvolvidas. Por fim, organizamos um gráfico com os resultados das atividades avaliativas seguindo os critérios observados nas produções textuais. Além disso, promovemos um evento de culminância, um piquenique literário, com leitura das HQ e das fábulas, dramatização de textos e apresentação das produções dos alunos. Essa última etapa foi bem marcante, os alunos se envolveram muito e participaram com bastante entusiasmo.

Compreensão textual

Resumo do Plano de Ação

Visando alcançar o objetivo apresentado no Plano de Ação realizamos inúmeras ações, entre elas a leitura diária em sala de aula, ação apoiada pelo município e que recebe o nome de cantinho da leitura; fez-se roda de leitura nas salas vizinhas, onde o(a) aluno(a) ler para as demais turmas da instituição; a leitura na minha casa, onde além de ler em sua residência para a família o(a) aluno(a) preenche uma ficha simples à cerca da sua compreensão da leitura que fez; escuta da leitura pela supervisora e orientadora, onde é realizado as intervenções necessárias para o aprimoramento, a interpretação oral e o preenchimento de planilha que registra os avanços individuais; toda segunda-feira a professora faz uso de um texto ampliado, onde ela realiza a leitura, promove a discussão e interpretação oral com mediação, lançando perguntas diretas e indiretas aos alunos(as) sobre o que se passa no texto, além de fragmentá-lo de acordo com os seguintes pontos: título, autor, personagens, situação inicial, problematização, desfecho e conclusão e os (as) alunos(as) encaixam cada fragmento em seu devido lugar; a professora realizou momento de leitura apresentando o gênero textual história em quadrinho (gibi), o (a) aluno(a) realizava a leitura e posteriormente à apresentava aos colegas através de um relato oral simples; outra ação foi a aplicação dos simulados pela equipe técnica, explorando a leitura e a compreensão de textos e servindo de comparativo para o nível dos (as) alunos(as) entre o diagnóstico inicial e o final. Computados os resultados, podemos afirmar que a turma atingiu o objetivo exposto no Plano de Ação, que seria ter 100% da turma com nota mínima 7,0 (sete) no último simulado, onde a mesma chegou a média de 7,8 (sete ponto oito).Alcançar o objetivo é/foi antes de tudo analisar toda a trajetória, detectar as falhas e reprojetar a caminhada, é comemorar cada etapa concluída e ver nos olhos e atitudes dos (as) alunos(as) a relevância de ler e compreender o que leu.

Interpretação e compreensão textual

Resumo do Plano de Ação

Nosso Plano de Ação foi elaborado a partir do planejamento estratégico e dos  resultados da avaliação diagnóstica. Nossa meta era que 100% dos alunos do 4º e 5º anos em 2018 alcassacem nota 7,5 na avaliação final do Plano.

Conseguimos que 70% dos alunos do 4º ano e 91% dos alunos do 5º ano obtivessem nota 7,5. Consideramos o resultado satisfatório e continuamos desenvolvendo ações para ao final do ano alcançar a meta estabelecida.

As dimensões propostas na metodologia foram contempladas e as ações que provocaram mudanças na aprendizagem com a implementação do plano foram: a formação de professores; a parceria com a professora da UFCG Milene Bazarin e os técnicos da SEDUC; o fortalecimento do projeto de leitura existente na escola “Leitura Diárdica” e a participação da comunidade escolar desde o momento da mobilização para apresentação do Plano de Ação.

Tivemos a oportunidade de desenvolver a liderança por meio da gestão estratégica, melhorar nossa prática pedagógica, ajudar os alunos em suas dificuldades e auxiliar os professores com a demanda em sala de aula fortalecendo assim o nosso trabalho que refletiu em toda escola.

Dr. Vicente Machado Castro

Castro – PR

Escola Rural Municipal de Estação do Tronco

Castro – PR

Escola Municipal Humberto Cordeiro

Ponta Grossa – PR

Leitura e interpretação textual

Resumo do Plano de Ação

Ao elaborarmos nosso Plano de Ação, decidimos por um trabalho voltado para a melhoria da Proficiência Leitora de nossos alunos, pois acreditamos no valor da leitura para a eficiência do Ensino. Percebendo o quanto nossos alunos estavam se distanciando dessa prática, buscando mobilizar a todos para multiplicarem ações que despertassem a magia de ler. À partir daí, iniciamos os trabalhos, chamando a atenção de toda a comunidade para esta prática, transformando ambientes, disponibilizando materiais escritos diversos e de qualidade, instigando os pais a participarem ativamente, planejando atividades diversificadas e que despertassem o interesse dos mesmos, envolvendo os alunos e funcionários em ações aguçadoras a prática da leitura. e para tanto seria necessário que os professores sentissem esse apelo e tomassem para si esta empreitada. Muitos foram os encontros de formação, os grupos de discussão, onde todos eram ouvidos, colocando suas ideias. Enquanto equipe gestora, desde o início, buscamos a mobilização de todos, compartilhando as decisões e os caminhos a serem seguidos. A união é nosso diferencial, todos atuam ativamente e se envolvem com entusiasmo. Esses encontros formativos, deram forma e capacitaram nossa equipe para um trabalho mais efetivo, como também para integrar à todos, para um objetivo comum. O trabalho, que de início, foi planejado para o fim do Primeiro Ciclo, tomou conta de nossa escola, todas as turmas participaram de ações diversas, embora nós tivéssemos um cuidado especial, com aqueles que eram nosso foco. Percebemos a importância de um trabalho bem pensado e bem direcionado, fazendo assim a diferença no cotidiano escolar. Enfim, foi gratificante e marcante verificar a conquista de nosso objetivo, nossos alunos dos 3º anos, já ao fim do 1º semestre, estavam lendo com compreensão e autonomia. Assim como, mais de 90% deles já encontram-se alfabetizados, como comprovamos através do IDEC (avaliação externa do município).

Leitura e interpretação textual

Resumo do Plano de Ação

No desenvolvimento do Plano foram  realizadas ações como: formação Continuada – estudo sobre técnicas didáticas e estratégias para desenvolver a compreensão leitora; confecção de passaporte do Leitor e outros recursos para contação de histórias e leitura dinamizada. Através do planejamento docente e da observação das aulas, percebeu-se as mudanças ocorridas, fruto dos estudos, videoaulas da Elos Educacional. Houve monitoramento através de Avaliação Inicial, Intermediária e Final, além do acompanhamento por meio de um Caderno de Tarefas da Coordenação. Os alunos participaram ativamente nesse processo, sendo responsáveis por realizar contação de leitura aos outros alunos, aos pais, expressar sua opinião, argumentar nas rodas de leitura. Escolhiam livros, organizavam o modo de apresentá-lo, confeccionavam materiais, traziam de casa, sugeriam livros que gostariam de ler, avaliavam o projeto sugerindo ações. Os pais e a comunidade em geral foram envolvidos no projeto auxiliando no levantamento da problemática e na reflexão sobre as estratégias que seriam traçadas para alcançar os objetivos. A cada encontro, enfatizávamos a importância da leitura e da parceria escola/família. Nosso objetivo era que 100% dos alunos da escola fosse capaz de realizar a leitura com 85% de compreensão leitora. Inicialmente 38,1% dos alunos era capaz de realizar a leitura com compreensão leitora e ao final do projeto, essa porcentagem aumentou para 60,3% e 37,6% já está perto de atingir a meta. Houve aumento na proficiência do IDEB, nas outras avaliações externas e internas, enfim, o avanço é perceptível e isso reforça a certeza de que estamos no caminho certo, nos incentivando a dar continuidade nas ações.

Bullying e indisciplina

Resumo do Plano de Ação

Sendo o bullying um tipo de violência muito comum entre escolas e alunos, denvolvemos com a  comunidade escolar, pais, alunos o nosso plano de ação “Bullying, essa ação não está com nada” “e diante de tal constatação vimos a  necessidade  de ações voltadas para a conscientização, prevenção e enfrentamento ao bullying junto aos estudantes de maneira formal, informal, assistemática e sistemática durante todo o ano letivo, capaz de orientá-los acerca da cidadania, do respeito, fomentando relacionamentos saudáveis e uma cultura de paz, cumprindo assim com nossa missão de educar para serem cidadãos éticos, responsáveis e capazes de conviver em sociedade.
Para nortear os trabalhos, realizamos questionários, perguntando para cada aluno o que era bullying: se já havia sofrido algum tipo de bullying, se já havia presenciado alguém fazendo bullying com os colegas, que tipo de agressão pode ser considerada bullying e se a prática desta ação era preocupante e porque. A maioria expôs que sim, já havia sofrido e que era muito ruim e padeciam com este fato de ser exposto, ridicularizado e até agredido por colegas.
Perguntamos também para os alunos o que os professores, pais e outros adultos poderiam fazer para ajudá-los a acabar com o bullying. As respostas foram bastante variadas e pediam para que fossem defendidos, não deixar acontecer em suas aulas, que deveriam fazer campanhas, atividades etc.
Para tanto, várias ações foram implementadas na escola, com estratégias, atividades, músicas, pinturas, palestras, teatro, brincadeiras, jogos, piqueniques, manhã com os pais na escola, festival de talentos, mostrando assim seus aspectos e características positivas, nossos valores e importância, para que a mudança viesse realmente do coração. Foi um processo muito rico, enfatizando sempre o exemplo e o respeito às diferenças, com excelentes resultados de conscientização, respeito e amizade.

Escola Municipal Profª Ruth Holzmann Ribas

Ponta Grossa – PR

Escola Municipal Deodoro Alves Quintiliano

Ponta Grossa – PR

EMEB Profª Marilourdes Figueiredo Iara

Franca – SP

Matemática - Resolução de problemas

Resumo do Plano de Ação

A matemática está presente em muitas de nossas atividades diárias,  e desenvolver os conhecimentos nessa área é de suma importância.Analisando os dados obtidos com as fichas de monitoramento e portfólio durante o primeiro semestre em nossa escola constatou-se a dificuldade dos alunos do 3º ano do 1º ciclo em resolver situações problemas. Esta dificuldade está atrelada na maioria das vezes nas falhas em relação à leitura e interpretação do texto dos problemas. A Equipe estratégica teve papel relevante na implementação do Plano de ação, participando em todas as etapas, e trabalharam como parceiros, auxiliando para atingirmos o objetivo proposto. Os pais participaram ativamente nas reuniões na escola, bem como nas atividades enviadas para casa. As formações com os professores foram direcionadas no intuito de atingirmos o objetivo proposto, buscando uma reflexão na ação do professor, pois, a prática pedagógica se dá por meio de uma ação planejada e refletida do professor. No dia a dia da sala de aula, a escola realiza seu maior objetivo: fazer com que os alunos aprendam e adquiram o desejo de aprender cada vez mais e com autonomia. Para atingir esse objetivo, é preciso focar a prática pedagógica na relação professor-aluno, o que significa observá-los de perto, conhecê-los, compreender suas diferenças. No relato dos alunos podemos ressaltar a euforia em participarem de atividades propostas, pois puderam associar a teoria a prática quando trabalhado com o mercadinho e a feirinha. Ao termino da implementação do Plano de ação concluímos que as conquistas alcançadas foram maiores que os obstáculos encontrados.

Matemática - Resolução de problemas

Resumo do Plano de Ação

A implementação do Plano de Ação foi desafiadora e de grande aprendizado para a equipe gestora, sendo necessário mobilizar pessoas de diferentes segmentos que fazem parte da comunidade escolar e fazê-los entender que a participação e o compromisso de todos os envolvidos eram fundamentais para o alcance da meta estabelecida. Quanto as parcerias, consideramos algumas mais relevantes para a implementação: com a professora Annaly (coordenadora de Matemática da SME), pois sua colaboração com formação na escola e sugestão do livro “Ler, escrever e  resolver problemas” para a fundamentação das pautas; houve modificações nos temas das formações, que contribuíram de forma significativa para a prática em sala. Houveram formações de Matemática com as coordenadoras que vieram ao encontro dos nossos objetivos e auxiliaram efetivamente nas formações realizadas pela coordenadora. Nas formações em serviço a missão foi realmente cumprida, pois ao acompanhar as práticas desenvolvidas em sala de aula e também pela receptividade que tiveram em relação às novas propostas de práticas pedagógicas apresentadas. Outra parceria fundamental, foi a participação dos pais nas propostas de desafios, realizados em casa com a família e socializados na escola, percebemos o compromisso com a aprendizagem dos filhos e a parceria efetiva das famílias.

Participação das famílias na escola

Resumo do Plano de Ação

A equipe gestora, está investindo toda sua energia, atenção e cuidado nas ações que envolvam a família, que faça com que eles percebam o quão importante é envolver-se e participar ativamente da vida escolar dos filhos e sentir-se pertencentes à comunidade escolar. Temos procurado estar presentes nas entradas, saídas das crianças , buscando o diálogo, a interação e principalmente a parceria com as famílias dos alunos e a participação dos mesmos.. Acreditamos que eles podem e tem muito a contribuir para construção de uma escola melhor e envolvente. Desta forma, a EMEB Marilourdes Figueiredo Iara e a EMEI Professora Suely Salomão estarão cumprindo sua visão e comunicando à comunidade os valores que permeiam nosso trabalho. Para alcançar este alvo, temos preparado as reuniões bimestrais  com textos voltados para reflexão, preparando um cafezinho, buscando novas parcerias, intensificando canais de comunicação (bilhetes/cartinhas/facebook da escola/Jornal da Escola), dando espaço para os pais se manifestarem (Caixa de Sugestões e presença de Gestores nas Unidades), vídeos dos alunos no seu dia a dia, Trechos de Filmes para Reunião de Pais, suscitando  discussões acerca da importância da escola na vida do aluno e da família. Também fizemos Sorteios de brindes em dia de eventos/reuniões bimestrais e mudança no horário da Reunião de APM para que fosse possível a participação da maioria. Promovemos momentos em que encontros em que as crianças são os protagonistas e apresentam seu trabalho para os pais. Em todos eles, foi notória a constatação do fortalecimento do ELO Família e Escola foi percebido inclusive pelos gráficos feitos a partir das listas de presença das professoras, e neles temos a evidência da participação dos pais terem aumentado consideravelmente neste ano. Estamos muito satisfeitos com a participação das famílias. De fato, este ano foi marcado pelo aumento e interesse das famílias tanto nos eventos com a participação dos alunos, como em reuniões e encontros com objetivos mais pontuais. Para finalizar, reconhecemos que nem sempre conseguimos levar a família para a escola. Mas de alguma forma, é nossa responsabilidade levar a escola até a família. Seja através de um comunicado diferenciado, seja através das atitudes dos alunos, seja através do pedido da contribuição dos pais, seja através do envio de um livro para ser lido em família… Acreditamos que a mudança na postura do aluno pode ser o começo.

EMEB Profª Maria Ângela David Henrique dos Santos

Franca – SP

EMEF Profª Judith Campista Cesar

Taubaté – SP

EMEF Celina Monteiro de Castro

Taubaté – SP

Leitura e interpretação textual

Resumo do Plano de Ação

O objetivo do Plano de Ação da EMEB “Profª Maria Ângela David Henrique dos Santos” foi melhorar a aprendizagem dos alunos do 5º ano no que diz respeito à competência leitora com foco em interpretação de texto.  Estabelecemos que o indicador final da implementação do plano deveria atingir 80% dos alunos dos 5ºs anos do Ensino Fundamental no acerto de pelo menos 80% das questões avaliativas com foco em interpretação textual. Uma análise comparativa dos resultados entre as avaliações inicial e final quanto ao objetivo esperado, concluímos que houve um avanço significativo. Na avaliação final os resultados obtidos foram de  64%, de alunos que atingiram o indicador final e desses alunos, 42,5% acertaram 100% das questões propostas. Resultado considerado satisfatório, tendo em vista que continuaremos com o plano de ação até o final de 2018. Direcionamos o Plano de Ação dentro das Dimensões propostas: Formação de Professores – ações com foco na formação dos professores, organizando as avaliações, analisando os resultados com a equipe estratégica, identificando as habilidades de leitura e interpretação que cada aluno domina e aqueles que ainda precisavam melhorar, redefinindo as ações, pautas formativas em reuniões de estudos, retomada das estratégias de leitura com o objetivo de estudos teóricos e estudos de casos positivos em leitura e interpretação de textos. Na Dimensão Protagonismo Estudantil: ações que fortaleceram o protagonismo dos alunos como autores e produtores de conhecimento. Dimensão Participação da Comunidade Escolar: ações focadas na participação e engajamento da comunidade escolar, seja nas reuniões bimestrais de pais para divulgação dos indicadores de resultados, eventos de fechamento de ações na implementação do plano e divulgação do trabalho que estava sendo realizado pela escola.

Bullying

Resumo do Plano de Ação

Partindo da análise das situações de violência que permeavam o ambiente escolar, priorizamos o diálogo contínuo com todos os sujeitos para que os problemas envolvendo agressões diversas e o bullying se constituísse como possibilidade de reflexão e construção de valores que priorizem a dignidade dos indivíduos, promovendo assim uma melhora do clima escolar e estimulando a evolução das aprendizagens. Para tanto, implementamos ações estratégicas em diversas dimensões:

– Formação de professores – estudos e promoção de reflexões sobre objetivos e estratégias de ensino que contemplassem competências socioemocionais, prevenção ao bullying, mediação de conflitos e gestão de sala de aula; Observação de sala de aula e posterior orientação;

– Protagonismo estudantil – Oferecemos aos alunos a possibilidade de atuar com Trotes Solidários junto ao Asilo; confecção de vídeos, músicas, teatros e outras expressões artísticas; discutimos e propiciamos a vivência do fair play na Gincana de “Copa do Mundo”;

– Comunicação – estimulamos o diálogo franco em sala de aula com dinâmicas aplicadas pela equipe gestora e promovemos maior comunicação entre todos os sujeitos do contexto escolar a partir das redes sociais;

– Participação da comunidade escolar – foram realizadas reuniões com os pais e funcionários da escola para discussão do plano de ação e também estímulo de participação na rotina escolar e nos eventos promovidos pela escola, como por exemplo, Conselho Participativo e Festa Junina;

– Parcerias – estabelecemos parcerias com a Universidade de Taubaté junto ao curso de Psicologia e abrimos as portas aos estagiários para implementação de projetos que visem a diminuição da violência. Outra parceria importante foi com o Centro de Convivência dos Idosos.

Protagonismo estudantil

Resumo do Plano de Ação

No Plano de Ação os alunos foram protagonistas na Semana das profissões: Nesta semana recebemos a visita dos profissionais do direito, educação, saúde e arte, para ministrar palestras. Os alunos que recepcionaram, apresentaram e agradeceram os convidados, confeccionaram as lembrancinhas e presentearam sem a interferência de nenhum adulto.

Realizamos formação dos professores em HTPC com o tema “Aluno como protagonista da própria aprendizagem”: Essa formação contou com a presença da psicopedagoga Claudia Maluf que desenvolveu com os professores o tema “Aluno protagonista da própria aprendizagem” através de atividades práticas para sala de aula de funções executivas. O encontro propiciou um momento de reflexão para todos os envolvidos favorecendo a mudança na práxis da sala de aula, como: atividades mais interativas, em grupos produtivos, e monitoria mirim.

Motivamos o protagonismo estudantil: Essa ação foi realizada em comemoração ao dia internacional da Síndrome Down, valorizando e conscientizando a importância e a necessidade do respeito ao diferente. Os alunos distribuíram folders para as famílias, além de vídeo e bate-papo sobre o tema,  disseminando ações de empatia.

Toda última sexta-feira do mês foi realizada a ação dos alunos dos 4º e 5º anos distribuindo bilhetinhos de incentivo, tais como: “Você é especial”, “Aqui você é amado”, “Seja feliz”, entre outros no horário de entrada dos alunos na escola.

Para finalizar os alunos tornaram-se monitores em sala de aula: Realizaram  atividades em grupos produtivos, nos projetos “Explorando as Estações” e “Minutos divertidos” com a monitoria mirim priorizando as aulas de Língua Portuguesa, Matemática e Educação Física.

EM Frei Orestes Girardi

Campos do Jordão – SP

EM Educador Anísio Teixeira

Campos do Jordão – SP

EM Dr. Antônio Nicola Pádula 

Campos do Jordão – SP

Formação de professores

Resumo do Plano de Ação

Como o foco das nossas ações eram voltadas a mudança da prática pedagógica, as dimensões voltadas ao protagonismo estudantil e a comunidade escolar não ficaram tão evidentes. Nosso engajamento foi nas formações em TDC (Trabalho Docente Coletivo), com reflexões da prática, estudos sobre a BNCC e Livro Aula nota 10, exposição de boas práticas entre outros. Foram elaboradas rubricas para feedback aos professores das observações de aulas e acompanhamentos de semanários, que evidenciou a mudança de alguns professores e a necessidade de acompanhamento e orientação por parte da gestão. Com a comunidade escolar houve ações voltadas para sensibilização da importância da participação da família no processo de ensino aprendizagem nas reuniões de pais e através de pesquisas de satisfação com alunos e pais. O envolvimento da equipe estratégica foi surpreendente. A participação dos pais, professores e funcionários possibilitou um olhar mais abrangente por parte da equipe gestora, percebendo a necessidade de mudanças que pudessem favorecer a melhoria da qualidade do ensino da nossa escola, apesar de sermos no município uma escola bem-conceituada em patamares de excelência no IDEB. O ápice das nossas ações foi o Simpósio de Boas Práticas, do qual contou com a participação de 8 professores, que tiveram a oportunidade de expor boas aulas e concorrer a prêmios em dinheiro, foi uma noite perfeita! Nossas ações continuam, pois ainda não possuímos um indicador que comprove a melhoria na aprendizagem dos nossos alunos. Observamos mudanças significativas nas práticas pedagógicas e no clima escolar, os professores estão mais motivados e receptivos, os pais mais participativos na escola, isso é muito gratificante. No início de dezembro teremos um indicador com o resultado do simulado que será aplicado em todas as séries e temos certeza que colheremos bons frutos!

Matemática - Resolução de problemas

Resumo do Plano de Ação

Na Prova Brasil de 2015, observou-se o desempenho dos alunos em Matemática, a proficiência de 277,15 nos descritores 12 ao 37, necessitando desenvolver um Plano de Ação que focasse Multiplicação e Divisão para melhorar o desempenho dos alunos. Esperávamos que 100% dos alunos acertassem 80% das questões da avaliação de multiplicação e divisão, e que 100% dos professores melhorassem suas práticas pedagógicas. Iniciamos o Projeto “Tabuada Anísio”. Principiamos a formação para os Professores: “Como ensinar tabuada de forma lúdica e divertida” no Portal do Professor. Em reuniões bimestrais com os responsáveis pelos alunos apresentávamos as ações familiarizando o projeto. Reuníamos a equipe estratégica para reorganização do projeto. Contamos com alunos monitores: aqueles com maior facilidade monitoravam outros com dificuldades. Alguns faziam cartazes, jogos matemáticos, atividades lúdicas. Tivemos parceiros, os Docentes do Instituto Federal com os graduandos do curso de matemática ministrando aulas de reforço , formação e trocas de experiências com os docentes, que, com profissionais do Museu Felícia Leirner de Campos do Jordão realizavam oficinas sobre a História da escultura e formas geométricas com os alunos.

Iniciamos a confecção de tabuadas fixas em todas as salas de aulas, pátios, corredores, sendo cada semana uma tabuada. A primeira foi a tabuada do dois até chegar a do dez. Pintamos figuras geométricas no pátio, para aulas lúdicas. O final da gincana foi no pátio, onde as operações foram colocadas em telão com datashow com tempo mínimo para resolução dos cálculos de multiplicação, onde 1 representante de cada classe resolveu os exercícios perante os demais alunos, convidados, pais e professores restando 1 vencedor. Ao final, melhorou o aprendizado, a quantidade dos alunos que apresentavam dificuldades nos cálculos referentes às multiplicações diminuiu de 37% para 27%.

Matemática - Resolução de problemas

Resumo do Plano de Ação

A equipe gestora analisou as Planilhas de Tabulações dos resultados das avaliações diagnósticas, que serviram como parâmetro e ponto de partida para que realmente pudéssemos perceber que havia algo de errado com a matemática. Sendo assim, organizamos a “Equipe Estratégica”, e juntos utilizamos a Avaliação Estratégica FOFA, que nos possibilitou destacar nosso maior problema, que a transição do Ensino da Matemática do concreto para o abstrato, ou seja, do 7 º para o 8º ano. Com isso, elaboramos e colocamos em prática o Plano de Ação com as seguintes dimensões: 1 – Formação de professores: nos TDCs, trabalhar matemática em todas áreas.

2 – Participação da Comunidade Escolar: realizamos dois momentos de culinária, onde os pais juntamente com os filhos elaboraram todo o processo, desde a compra dos ingredientes, até o produto final.

3 – Protagonismo estudantil: Café matemático cada aluno elaborou 5 situações problemas, montou em forma de livro e apresentou individualmente aos colegas e a professora. Também realizamos aulas de alfabetização para auxiliar na interpretação.

4 – Comunicação: Foram elaboradas apostilas bimestrais, que foram entregues aos alunos para que os mesmos estudassem pois, teriam que fazer cálculos mentais envolvendo a multiplicação e outros.

5- Parceria: Convidamos os pais de alunos que trabalham com gastronomia para ensinar receitas aos alunos e os mesmos a realizarem na prática. Professor Representante, nossa maior força está no professor representante de sala, que oferece ao aluno um olhar individual na formação intelectual, social e emocional.

EM Amadeu Carletti Júnior

Campos do Jordão – SP

CE Manoel Bomfim

Arauá – SE

CE Prefeito Joaldo Lima de Carvalho

Itabaianinha – SE

Leitura e interpretação textual

Resumo do Plano de Ação

O processo de elaboração e desenvolvimento do Plano de ação foi pautado no desenvolvimento pedagógico dos alunos, tendo em vista a melhoria da qualidade de ensino. Dessa forma escolhemos como tema a ampliação das competências leitoras e melhoria da oralidade de nossos alunos envolvendo todas as disciplinas. Realizamos diversas atividades voltadas para o desenvolvimento, valorização e estimulo à leitura, tais como rodas de leitura, sarau literário, cantinho de leitura nas salas de aula, e como forma de aumentar ainda mais o interesse dos alunos pela leitura, iniciamos o projeto da Sacolinha Literária, no qual os alunos emprestam e devolvem livros do acervo da biblioteca semanalmente, como forma de envolver a família nesse projeto. Durante o desenvolvimento do plano, conseguimos algumas parcerias para obtermos o material necessário para o desenvolvimento das ações previstas. Dentre as parcerias firmadas, destacamos duas – a Biblioteca Municipal, que dividiram conosco dicas maravilhosas de como cuidar e organizar nosso acervo. A segunda parceria em destaque são as Senhoras do Grupo “Gansos” que confeccionaram as Sacolinhas Literárias. Além das doações, realizaram-se rifas e festas para comprar livros, baús e demais materiais. Para finalizar o plano, realizamos uma Gincana Literária, mobilizando toda a comunidade escolar. Cada turma estudou um autor infanto-juvenil e realizaram diversas provas relacionadas com a leitura das obras. Foi um grande sucesso! Ainda existem muitas ações voltadas para esse Plano que estão em desenvolvimento, sempre pensando em elevar a qualidade de ensino e atender cada vez melhor nossos alunos.

Melhorar a indisciplina dos alunos do 1º ao 9º ano

Resumo do Plano de Ação

O Colégio Estadual Manuel Bomfim busca inserir-se em um paradigma de educação de qualidade, a partir desse ponto de partida, e tendo em vista a importância de um trabalho que definam ações concretas que possam se antecipar aos problemas e dificuldades encontradas ao longo do ano letivo, foi elaborado um plano de ação. Visando um melhor e mais eficiente desempenho do trabalho didático-pedagógico e a melhoria da qualidade de ensino-aprendizagem. Para o dia da mobilização, foram convidados professores, alunos, pais para que pudessem conhecer e opinar a respeito das ações já elaboradas e ao mesmo tempo que conhecessem o cronograma de cada atividade e assim pudessem se envolver com mais afinidade na prática pedagógica da escola.

As ações realizadas que mais proporcionaram uma participação ativa dos alunos:

  • CRE-SER- despertando-os para ingressar na Universidade;
  • JOÃO CIDADÃO – conscientizou os  alunos  sobre  os  seus  direitos;
  • JOGOS INTERCLASSE – incentivou diretamente a permanência dos alunos na escola;
  • PROJETO LITERÁRIO – desenvolveu a prática da leitura;
  • FEIVEST: uma feira de informações que desperta os discentes para escolha das profissões;
  • PROJETO VALE SONHAR – motivação  para  o  sexo  seguro;
  • PALESTRAS – enriqueceu a formação acadêmica, pessoal e profissional dos alunos.
  • GELADOTECA – despertou a sensibilidade, o interesse e o prazer em “ler”, interpretar poesias e poemas e demais gêneros textuais. Atualmente percebe-se um maior envolvimento dos alunos com a escola. O índice de evasão foi menor que os semestres anteriores, mesmo estando em uma situação difícil por conta da reforma do prédio.
Evasão Escolar

Resumo do Plano de Ação

O nosso Plano de Ação orientou-se por um diagnóstico dos dados escolares no âmbito local, regional e nacional. A principal meta foi aumentar a presença dos alunos dos 1º e 2º anos do Ensino Médio noturno nas aulas, bem como, possibilitar a elevação da aprendizagem de todos os discentes. Para tanto, promovemos ações que conquistaram os discentes através do seu cunho lúdico e também por conta da variedade dos assuntos tratados.

A “Gincana Junina”, por exemplo, ação proposta por um aluno, além de oportunizar o protagonismo juvenil, promoveu ainda o debate sobre a cultura nordestina em suas diversas faces (literatura, dança, música e teatro). A “Conferência da Consciência Negra”, por sua vez, também possibilitou a participação ativa da comunidade escolar e o notório engajamento dos educandos nas atividades propostas.

A ação de implantação da modalidade EJA também foi um sucesso, visto que, a assiduidade dos alunos foi superior a 85% e as notas da primeira avaliação foram acima de 6,0. É perceptível o entusiasmo dos educandos diante desta modalidade de ensino, visto que, sentem-se mais acolhidos e à vontade por estarem em contato com outros discentes que apresentam idades parecidas e histórias de vidas semelhantes.

Em suma, no ano de 2017 as mudanças foram poucas, provavelmente porque os alunos já tinham evadido e o resgaste deles é bem mais difícil que a prevenção. Porém, é notório que algumas mudanças já podem ser observadas no ano de 2018. O aumento na frequência dos educandos e na média dos resultados das avaliações da primeira unidade, por exemplo, já é consequência positiva das ações implantadas.